SBT - Sistema Brasileiro de Televisão SBT Ao Vivo
Polícia

Polícia investiga morte de menina de 11 anos na Zona Norte do Rio

A Divisão de Homicídios está ouvindo testemunhas, que afirmam que o disparo partiu de policiais à paisana.

Por: Redação

SBT Brasil

 - 15/02/2019

A morte de Jenifer Silene Gomes, de 11 anos, começou a ser investigada nesta sexta-feira (15) pela Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio de Janeiro. No momento, as autoridades estão colhendo os depoimentos de testemunhas oculares. 

 

A menina foi morta com um tiro no peito na tarde desta quinta-feira (14), em Triagem, Zona Norte do Rio de Janeiro. Segundo relatos, Jenifer estava na porta do bar de sua mãe quando foi atingida. 

 

A família da vítima atribui a autoria do disparo a policiais militares à paisana, que faziam uma ronda no local em busca de criminosos que teriam roubado uma carga. Os familiares contam que um dos PMs teria atirado na direção de um dos suspeitos, mas, o tiro acabou atingindo a criança.

 

Jenifer chegou a ser socorrida no local e levada ao Hospital Salgado Filho, no Méier, Zona Norte da capital, porém, já chegou sem vida à unidade. Constatada a morte, o corpo foi levado ao IML da Leopoldina. 

 

Segundo a polícia, os agentes envolvidos no tiroteio foram acionados para uma tentativa de roubo de carga na Rua Bérgamo, em Triagem. 

 

A corporação ainda alega que nenhum policial efetuou disparos e que, ao chegar no local, os oficiais encontraram a menina já ferida e um homem baleado, portando uma pistola e drogas. Em seguida, relatam que foi prestado socorro para ambos.

 

O corpo de Jenifer foi enterrado nesta sexta-feira (15), no Cemitério de Inhaúma, também na Zona Norte do Rio.

 

Jenifer foi a primeira criança morta por bala perdida este ano. Desde 2007, outros 53 menores perderam suas vidas da mesma forma. 

 

A ONG 'Rio de Paz' irá instalar ainda na tarde desta sexta-feira (15) um cartaz com o nome da menina na Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul da capital. O local já possui uma instalação que contém o nome das outras cinquenta e três crianças vítimas de balas perdidas no Rio de Janeiro.